domingo, 6 de fevereiro de 2011

um volmar e quatro doces

nem deu pra adoçar a amargura:
por mais que melasse o tempo
acabou azedando o caldo

nem deu pra acoitar a rapadura
por trás de um mosquito imenso
vindo de um tempo assombrado

fica o pigarro na garganta

dos doces que a memória canta

2 comentários:

V. disse...

Po, Ari! Que susto!
Amei, cara! Desculpe a ausência...
Ainda tenho que responder isso.

Um abraço

V.

Amanda Balieiro disse...

Uau! Que doce soco no estômago!

Me encanta demais!

 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.